Constelações Aplicadas à Consulta Individual

Constelações Aplicadas à Consulta Individual

Constelações Aplicadas à Consulta Individual

Formação Online

Desde qualquer lugar do Mundo

Metodologia Própria

Material formativo semanal e acompanhamento personalizado online com um especialista EDT 

Flexibilidade

Acesso fácil, material disponivel 24h, compatibilidade de horarios

Comunidade Internacional

Integraçao em grupo internacional de desenvolvimento e aprendizagem sinérgica, com partilha semanal e encontros de prática online de fim-de-semana

“A reconciliação começa na nossa Alma. Nós podemos tornar-nos mais completos e em paz.”

Bert Hellinger 

As Constelações Familiares são uma via subtil que permite a compreensão de aspetos profundos que têm origem no sistema ao qual pertencemos e que atuam, de forma muitas vezes invisível e limitadora, não nos deixando experimentar relações sãs e maduras com os outros, connosco mesmos e com a vida. 

Nesta formação investigaremos a abordagem sistémica e os seus pilares teóricos, exploraremos as raízes dos nossos próprios conflitos e limitações, desenvolveremos o nosso olhar sistémico e trabalharemos e integraremos uma série de ferramentas, recursos e dinâmicas adequadas ao acompanhamento em consulta individual.  

 

O que vais encontrar nesta formação?

Acompanhamento Personalizado

4 Tutorias Individuais 

Encontros de Práticas Online

4 Encontros de Práticas em Grupo de 3H + 1 Encontro de Fim-de-Semana de Meditação

Aula Virtual

Temas de estudo + Técnicas e Práticas  

A quem está dirigido?

A profissionais que queiram desenvolver o “olhar sistémico” e integrar ferramentas práticas que abram espaço para uma via de acompanhamento individual baseada nas constelações familiares.

A todos aqueles que, não tendo experiência prévia em acompanhamento, pretendam explorar, observar e tomar consciência dos aspetos inconscientes pessoais e sistémicos, muitas vezes “ocultos”, que limitam a presença da inteireza, liberdade e amor na sua vida.

 

Certificado

O aluno, ao cumprir os requisitos e finalizar a formação receberá o Certificado da EDT de Constelações Aplicadas à Consulta Individual 

Edições

Novembro e Abril

Duração

16 Semanas

l

Inscrição

info@escolatranspessoal.com

Formações

Terapia Transpessoal

Terapia Transpessoal

Torna-te um profissional do acompanhamento e explora esta abordagem profunda e integral da alma humana.

Morada
Rua Padre Luis Aparício,
11, 4ºC
1150-248, Lisboa

Contactos
+351 215 958 889
+351 912 662 851
E-mail: info@escolatranspessoal.com

Escola Transpessoal

E foram felizes para sempre

E foram felizes para sempre

“Não aceitamos que a felicidade seja um estado passageiro, e buscando-a compulsivamente criamos mais infelicidade e trauma na nossa mente.”

Mark Epstein

  

O som de um “Era uma vez…” traz consigo uma vontade irreprimível de nos sentarmos em círculo, olhos postos no narrador, e nos abrirmos à estória. Escancara-se a porta da fantasia, e a criança em nós volta a vestir-se de Rei ou Rainha, Dragão, Sereia, Monstro marinho ou pequeno Duende e, magicamente, reentra num reino encantado, onde o adulto pode encontrar, escondida simbolicamente, a chave para algum mistério na sua vida.

Os contos de fadas são contos da vida, disfarçados de mistério, sonho e brilho. Carregam consigo, entrelaçados nas letras, lemas de vida, trilhos de individuação, provações que nos remetem para episódios da vida quotidiana, personagens que nos fazem recordar alguém e, algumas vezes, soluções simbólicas para problemas reais, quando os ouvidos estão despertos e a alma sabe decifrá-las.

É talvez por isso, por este carácter que toca subtilmente o inconsciente colectivo, que quando chegamos à parte do “viveram felizes para sempre” com que a maior parte dos contos de fadas fecha a última página, prometendo um fim sem fim à vista, sem ondulações difíceis e ventos contrários, um oásis de pura beleza e paz, nos confundamos com isto da felicidade, tomando-a como um continuum da vida, intocado pelo quotidiano.

Não existe um “sempre” nem um “nunca” nisto de se ser feliz. A vida oferece-nos uma paleta emocional de degustação diversa, onde estão presentes sentimentos de puro êxtase, bliss, serenidade, e outros de dor dilacerante, ansiedade, medo, vergonha, entre sabores mais tranquilos, que se aninham com mais docilidade no coração.

Por mais que o desejemos, não há como viver por metades – acordar de manhã para o lado sorridente da vida e voltar a fechar os olhos ao meio dia, se este prometer tempestades. As emoções mais densas e duras fazem crescer – e crescer dói -, desafiam-nos a conhecer pedaços de nós mais profundos, a mergulhar fundo na caverna interna de quem somos e escavar recursos, desencafuar emoções, abraçar a humildade, amadurecer. Responsabilizarmo-nos por nós. E regressar ao mundo com mais capacidade de nos abraçarmos, em tudo.

Permanecer agarrados a uma ideia fantasiosa da felicidade constante é correr como Dom Quixote atrás de moinhos de vento, julgando-os gigantes, na sua ilusão. E é perder-se, talvez, os momentos realmente felizes, os “encantados”, tão empenhados que estamos no caminho da durabilidade. Se o mundo fosse todo cor-de-rosa deixaríamos de notar que existe cor, e até a emoção deixaria de ser perceptível.

“Para sempre” é cada momento em que o coração estremece e sorri. Cada abraço, cada dança, cada contemplação da vida a acontecer, cada singelo segundo em que a gratidão nos inunda o peito e sabemos quem somos.

“Para sempre” é cada momento inefável em que saímos à aventura, descobrimos mais um pedaço de nós e voltamos a Casa mais inteiros, coesos e despertos.

 

 

MARGARIDA MONARCA
TUTORA DE MINDFULNESS EM EDUCAÇÃO E CÍRCULOS DE MULHERES

Especialista em Alimentação Consciente

Especialista em Alimentação Consciente

Especialista em Alimentação Consciente

Formação Online

Desde qualquer lugar do Mundo

Metodologia Própria

Material formativo semanal e acompanhamento personalizado online com um especialista EDT 

Flexibilidade

Acesso fácil, material disponivel 24h, compatibilidade de horarios

Comunidade Internacional

Integração em grupo internacional de desenvolvimento e aprendizagem sinérgica, com partilha semanal e encontros de prática online de fim-de-semana

“Numa refeição vejo claramente a presença de todo o Universo sustentando a minha existência.”

Jan Chozen Bays

Mindfulness e Alimentação, um caminho de atenção plena para a saúde e o bem estar.   

Com esta formação irás descobrir o poder transformador do enfoque Transpessoal aplicado à alimentação. Uma viagem pelos territórios das crenças, dos transtornos, dos vários tipos de fome – incluindo a do coração, e a consciência sobre o que promove a saúde e a vitalidade

O que vais encontrar nesta formação?

Acompanhamento Personalizado

8 Tutorias em Grupo Reduzido

Encontros de Práticas Online

1 Fim-de-Semana de Praticas + 1 Fim-de-Semana de Meditação

Aula Virtual

Temas de estudo + Técnicas e Práticas + Recursos Audio-Visuais 

A quem está dirigido?

A todos os interessados em investigar a perspetiva transpessoal na área da nutrição, em explorar a relação com a alimentação e a sua importância para a criação de uma vida saudável, e para todos os interessados em incorporar o Mindfulness e realizar um trabalho consciente integral. 

Certificado

O aluno, ao cumprir os requisitos e finalizar a formação receberá o Certificado da EDT como Especialista em Alimentação Consciente;

Edições

Outubro e Março

Duração

16 Semanas

l

Inscrição

info@escolatranspessoal.com

Formações

Terapia Transpessoal

Terapia Transpessoal

Torna-te um profissional do acompanhamento e explora esta abordagem profunda e integral da alma humana.

Morada
Rua Padre Luis Aparício,
11, 4ºC
1150-248, Lisboa

Contactos
+351 215 958 889
+351 912 662 851
E-mail: info@escolatranspessoal.com

Escola Transpessoal

Pertencer

Pertencer

Arquetipicamente, qualquer jornada se inicia com uma saída da zona de conforto, do conhecido, do chamado “mundo comum.”

 

Se, por vezes, escolhemos esta viagem, ou ansiamos por ela, na maioria das vezes ela apanha-nos de surpresa, empurra-nos, leva-nos a resistir e a perguntar-nos “porquê?”. Porquê eu, porquê agora, porquê…? 

Sem nos apercebermos, pagamos viagem num carrossel que nos transporta para lugares onde não sonharíamos ir e a descobrir recursos que não imaginávamos ter.

Inevitavelmente, mergulhamos em pedaços de nós que escondemos na sombra e, através deles, encontramos tesouros e novas fórmulas de viver a vida. 

Ainda que não seja a fase mais intensa, apaixonante ou floreada, das grandes jornadas da vida, a última é, sem dúvida, uma das mais impactantes. O regresso a casa. O retorno ao mundo que deixámos, quando já não somos a pessoa que partiu. 

Não pertença, desenraizamento, desconforto, solidão são algumas das sensações que nos assolam. Percorremos tão longo caminho para descobrir quem somos, e pagamos o preço de deixar de pertencer aos lugares que conhecíamos. 

Resta-nos a escolha de nos afastar, ou de ficar para reconstruir. De nos sentirmos melhores do que os comuns, ou de caminhar por entre os lugares, partilhando quem somos e o que descobrimos. Recriando-nos e fazendo a diferença de formas criativas, enriquecedoras e acolhedoras. 

Os momentos atuais do mundo apelam-nos a uma das maiores jornadas de sempre. E, se o mundo comum por onde caminhávamos não era o ideal, sem dúvida que as viagens de carrossel por onde somos testados nos abrem caminhos, recursos e novas formas de estar e pertencer. 

Talvez sejam agora os momentos das boas decisões. De nos enraizarmos finalmente no corpo e na terra e escolher diferente. Respeitar a vida. Consumir de forma consciente. Precisar de menos. Partilhar mais. Amar melhor. 

Que grandes escolhas necessitam de ser feitas? Que boas mudanças nos trazem de volta a nós mesmos? Que passos nos aproximam da terra-mãe que nos acolhe?

Estas são as grandes perguntas. 

As jornadas de individuação são fundamentais para cada um. E a etapa seguinte é, sempre, o regresso a casa. Os heróis arquetípicos caminham sempre em “sacro-ofício”. Em prole de todos.

 

ÉLIA GONÇALVES
SUBDIRECÇÃO EDT
Individuar-me

Individuar-me

“Toda a gente tem medo de alguma coisa. Se conheceres os teus medos, ficarás um passo mais longe de permitir que eles te dominem…. No campo de batalha, um rosto intrépido ajuda-te a conservar a força. Se vestires o semblante de coragem, a coragem em si torna-se mais fácil de alcançar.”

Juliet Marilier, in “A chama de Sevenwaters”


 

Há uns tempos encetei uma autora que não conhecia, mas cujo livro já andava a marinar, A Filha da Floresta, da autora Juliet Marilier. São romances. Mas são romances que bem podem ser livros de conexão connosco mesmos. Como sempre, este desde onde estamos a viver, neste caso a ler, faz toda a diferença. Podemos ler como um simples romance, como podemos ler com os olhos da alma. E sem dúvida há esse convite nestes livros.

Com estas leituras muito tem vindo de valores pessoais, de simplicidade, de compaixão, a amor ao próximo, de coragem, de recordar “aquilo que importa”, de medos e de individuação!

Falo-vos de forma muito breve de individuação:

Termo “cunhado” por Carl Jung, a individuação consiste num processo através do qual o ser humano evolui de um estado infantil de identificação para um estado de maior diferenciação, o que implica uma ampliação da consciência. Através desse processo, o indivíduo identifica-se menos com as condutas e valores encorajados pelo meio no qual se encontra e mais com as orientações emanadas do Si-mesmo, a totalidade (entenda-se totalidade como o conjunto das instâncias psíquicas sugeridas por Carl Jung, tais como persona, sombra, self, etc.) de sua personalidade individual.

Mas, seguir o nosso caminho, a nossa autenticidade, requer coragem e pés bem assentes na terra, um ego maduro (estruturado), uma personalidade que saiba discernir o que quer ficar para trás e para onde devemos seguir; o que nos condiciona e o que nos liberta…

O processo de sermos quem somos, ou de nos tornarmos isso, implica que aceitemos o todo, tudo aquilo que somos, a nossa totalidade, ou seja, o bom e o mau em nós. Implica que aceitemos que não há culpados nas nossas histórias, há personagens, com ações, que geram consequências. O que eu faço com isso é outra história! Implica sair do estado infantil, de identificação com a família, com os pais, a comunidade a que pertencemos e através da ampliação de consciência de quem somos. Passando assim a um estado de maior diferenciação de nós mesmos. O processo de individuação é fundamental para qualquer um de nós viver aquilo que nasceu para viver, para encontrar em nós a nossa mais profunda verdade e viver nela.

Viver a autenticidade implica despirmo-nos das máscaras que usamos para nos defendermos do mundo; e isto não significa que eu tenha que ser irreverente, que me marginalize, que viva em busca de culpados… essa pode ser uma fase, mas se eu me mantenho aí, eu só evoluo da criança ferida para a adolescente ferida, não chego à pessoa madura.

De regresso ao ponto de partida, os livros de Juliet Marilier, tem sido um grande mergulho, através da ficção, que tem recordado a importância de sermos na totalidade em vez de ficarmos à espera daquilo que nos podemos tornar!

O processo de individuação é constante. Eu diria que é a vida a acontecer e eu a fazer algo de bom com ela!

 

PATRÍCIA BENTO
TUTORA DE TERAPIA, RESPIRAÇÃO HOLOSCÓPICA E CÍRCULOS DE MULHERES