Olhar as nuvens e contar formigas

Olhar as nuvens e contar formigas

“A imaginação é o nosso maior poder no respeita às viagens da alma, pois só ela é capaz de lhe aceder diretamente.”

PRM


 

Quando eu era pequena o meu pai levava-me com ele, ao fim de semana, para uma antiga fábrica onde ele e um amigo construíam, de raiz, um barco à vela. Era o seu hobby e dedicava-lhe o tempo que conseguia e, apesar de não haver rigorosamente nada para fazer ali, eu também ia. Ocupava o tempo a passear pelos corredores escuros e altos, a observar as máquinas antigas e abandonadas e a passar pelas pontes em ferro. De alguma forma, entretinha-me a contar estórias a mim mesma, a fantasiar, a viver naquele cenário industrial todas as aventuras que a imaginação conseguia criar.

Hoje, olho para trás e recordo com nostalgia os momentos da infância que me permitiram passar longas horas sem realizar nada, sem tentar chegar a lado algum, apenas vivendo o momento com os meus recursos internos; sinto-os como horas de grande riqueza, a par daquelas em que mergulhava em longas leituras, imaginando os personagens e cenários por onde ia passando.

Com estas pequenas vivências, às quais ninguém dava grande importância – porque assim era a vida – pude aprender a cultivar a imaginação, essa faculdade da mente humana que nos permite, entre muitas e importantes coisas, criar. Einstein disse um dia que entre a imaginação e o conhecimento, preferia a primeira ao último – era a imaginação que nos permitia abarcar tudo, até aquilo que nos parecia impossível. É a essa capacidade de imaginar – em especial de imaginar o que ainda não existe – que devemos muitos dos nossos atuais avanços civilizacionais.

Hoje, porém, a imaginação aparenta ser o parente pobre da educação e é desvalorizada em relação aos factos e às competências tecnológicas, perfeitos estandartes de inteligência e habilidade. A própria criatividade, palavra que anda de mãos dadas com a imaginação, parece ter sido desvirtuada pela nossa cultura e entrado na categoria dos dons raros, que só bafejam alguns seres especiais ou geniais, e que foge a todos os comuns – “Ah, eu não tenho jeito nenhum para dançar/pintar/cantar…”

Não ter de chegar a lado algum, não ter de ser produtivo e útil, embeber-se de espírito de brincadeira tornou-se quase pecaminoso nesta realidade que construímos e onde cada momento do dia precisa de ser ocupado, as atividades de lazer são planeadas ao minuto e transformam-se em obrigações, e os ecrãs dos nossos smartphones ocupam a totalidade nossa visão. Parar apenas, observar o mundo sem pixéis, religar-se à Natureza, são as formas de cultivar a disponibilidade, o espaço e o tempo que a imaginação requer. Requer uma entrega ao momento, uma atenção aberta e vontade de brincar.

A imaginação brota da mesma fonte inesgotável dos sonhos, daqueles em que nos embrenhamos à noite ou daqueles que temos para a vida. Como dizia António Gedeão, são os sonhos (essa imaginação), que fazem o mundo pular e avançar. Sem a capacidade de imaginar, perdemos a capacidade de sonhar, e em última análise, de criar. A imaginação recorre a esse imenso acervo interno a que chamamos imaginário, uma biblioteca infinita, em grande parte imersa no nosso inconsciente e que nos traz a riqueza, as formas e as cores do nosso mundo interno.

Carl Jung dizia que era necessário viver os nossos símbolos e contar as nossas estórias, para nos sentirmos verdadeiramente vivos. Talvez seja novamente altura de trazermos às nossas vidas momentos sem tempo, onde nos permitimos estar apenas a olhar as nuvens ou a contar as formigas nos carreiros. Momentos de total abertura à nossa imaginação, onde podemos dançar ou pintar, escrever ou contemplar o pôr do sol. Momentos sem agenda, sem lembretes, sem objetivo nem utilidade.

A imaginação é o nosso maior poder no respeita às viagens da alma, pois só ela é capaz de lhe aceder diretamente.

 

 

PATRICIA ROSA-MENDES
TERAPIA TRANSPESSOAL – ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO TRANSPESSOAL
COM.UNIDADE EDT – Entrevistas a Alunos

COM.UNIDADE EDT – Entrevistas a Alunos

Um espaço para partilhar e dar voz à crescente Com.Unidade EDT


Entrevista à aluna da formação de “Facilitadora T. Circulos de Mulheres”  – Mafalda Arnauth – pela tutora Margarida Monarca

Mafalda, porque procuraste a formação em Facilitadora Transpessoal de Círculos de Mulheres?Houve um momento em que percebi, enquanto Terapeuta Transpessoal, que os meus casos eram todos com mulheres e que os temas me tocavam particularmente na minha relação com o meu próprio Feminino. Sempre senti esta dualidade dentro de mim – Masculino e Feminino – e uma necessidade de olhar o meu feminino.

Quando comecei a fazer a formação, os temas semanais foram-se tornando importantes para as questões dos casos que estava a acompanhar e também para trazer à consciência, para dar uma nova luz aos meus próprios temas. Pensava, a um nível racional, que seria o resgate para as outras mulheres e afinal descobri que foi principalmente o resgate da minha mulher interna.

.
Que partes de ti, enquanto Mulher, descobriste ou revisitaste com mais clareza durante a formação?

Temas como os mitos e a Jornada da Heroína tocaram-me tão profundamente que ainda agora me sinto a processar internamente; estão a ajudar-me a perceber de que forma o meu patriarca interno estava definitivamente instalado em mim.
Este espaço de formação trouxe-me a capacidade de reconstrução; alguns dos pilares nos quais assentei muitas das minhas formas de estar na vida abanaram imenso e aos poucos tenho vindo a conseguir retirar o que já não quero sem que a “casa” venha abaixo. Por exemplo, o mito da “Supermulher” – a que consegue chegar a tudo – é algo a que tenho vindo a dar atenção porque, conhecendo-me como me conheço, sei que oscilo entre aquela que se esgota e aquela que fica passiva e não funcional para não se esgotar.

.
O que sentes que o Círculo traz para as mulheres que o integram?

Para mim tem sido sobretudo o reconhecimento e a ressonância. Este apaziguar das minhas muitas partes tem-me permitido dar um salto em termos de aceitação e integração do que existe em mim.

.
De que formas sentes que esta formação se incorporou no teu trabalho e percurso enquanto Terapeuta Transpessoal?
Em muitas situações, sinto uma necessidade muito menor de falar, de racionalizar, de terapeutizar… é como se tivesse feito um resgate da minha presença tão somente enquanto presença sanadora, falando e fazendo menos.
Quando escuto realmente, deixo de sentir a necessidade de salvar, de resolver ou de proteger o outro e, atualmente, sinto que consigo criar um outro espaço em termos terapêuticos.

MARGARIDA MONARCA
TUTORA “FACILITADORA CIRCULOS MULHERES” – ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO TRANSPESSOAL